Acompanhamentos, Funcional gourmet, light!, Quero ser fit, Sem glutén

Purê de couve-flor com brócolis 

Juro valendo! Pode acreditar! É muito gostoso e uma ótima opção para o jantar mais fit. Você pode fazer apenas com a couve-flor também. Nessa versão eu usei o brócolis para dar uma incrementada. Só pra você ter uma ideia: nunca gostei de couve-flor cozida! Mas, ela é tão neutra que tenho aprendido mta receita boa. E olha, vou te contar… tá aí um ótimo coringa pra quem quer fazer dieta ou comer melhor. 


O que leva?

– 1 couve-flor 

– 04 ramos de brócolis japonês 

– 01 colher de chá de manteiga (pode ser a ghee)

– 03 colheres (sopa) de leite 

– sal e pimenta do reino a gosto

Como faz? 

– cozinhe o brócolis e a couve-flor em água fervente ou no vapor até ficarem bem cozidos. Em água fervente levou uns 20 minutos. Escorra bem.

– após escorrer, bata a couve-flor e o brócolis no liquidicador ou no mix até virar um creme homogéneo. É coisa rápida! Você também pode usar o processador. 

– em uma panela aquecida, coloque a mistura, a manteiga e o leite. Mexa até desgrudar do fundo da panela. É igual ponto de brigadeiro. Coloque sal e pimenta do reino a gosto. Está pronto!

– se quiser incrementar, pode levar ao forno (200 graus já pré-aquecido) com um pouco de parmesão por cima por uns 10 minutos. Fica perfeito!

[dicaexpress] se fizer só de couve flor, antes de colocar o creme na panela, aqueça a manteiga e coloque uma colher de café de cúrcuma para dar mais sabor ao purê! 

Sugestões de pratos:

– purê de couve-flor e brócolis com bife à parmegiana light (faz o bife, leva ao forno para gratinar com molho de tomate fresco e um pouquinho de parmesão ralado por cima). 

– escondidinho de purê de couve-flor com frango desfiado. Monte as camadas e leve ao forno. Você tb pode fazer de carne moída, queijo branco ou cogumelos salteados. 

Não é uma ótima opção para o jantar? 

Anúncios
farofa de maracujá
Acompanhamentos, Funcional gourmet, Veganos!

Farofinha crocante de maracujá 

Maracujá? Oi? Mesmo? Pois é, farofa de maracujá! Eu vi essa receita num programa de TV e achei improvável. Mas, fui lá testar. E não é que é boa mesmo. Combina divinamente com uma moquequinha light (veja o post anterior!). A receita apresentada pelo músico João Gordo tinha um bacon de carne de soja. Eu fiz a minha sem isso e ficou muito boa. Espero que gostem!

Farofa de maracujá

O que leva?

– 1 cebola média

– 2 dentes de alho picadinhos

– polpa de 1/2 maracujá com a semente

– azeite de oliva ou óleo de coco

– farinha de mandioca torrada

– sal e pimenta do reino a gosto

Como faz?

– pique a cebola em cubinhos. Reserve.

– numa panela de fundo grosso (a panela tem que pegar mais calor pra farofa ficar mais crocante), aqueça um fio de azeite ou o óleo de coco. Doure o alho e refogue a cebola até ficar transparente. Acrescente o maracujá e refogue por uns 5 minutos. Acrescente a farinha (a gosto… eu usei uma xícara de chá) e mexa até a farinha ficar bem douradinha.

– agora é só servir! Uma dica: tire a farofa da panela porque se ela tiver o fundo grosso vai continuar cozinhando mesmo com o fogo desligado. Aí vc corre o risco de queimar a farofa! Não se preocupe com o caroço do maracujá! Ele vai ficar crocante!

Acompanhamentos, Funcional gourmet, Quero ser fit, Sem glutén, Veganos!

Chips de banana verde

Quem adora uma comida mais gourmet, precisa adotar os chips na montagem dos pratos. Além de garantir sabor e crocância, eles dão um super toque na apresentação. O problema é que na maioria das vezes eles são fritos! Mas, não tem problema… nada que um forno esperto não dê conta do recado! Na receita de hoje, vamos fazer chips com bananas verdes, mas a base é praticamente a mesma para fazer chips de batata baroa, batata normal e outros legumes. Mas, qual o gosto disso? A banana verde fica neutra e pega bem o tempero do sal. Se ela tiver amadurecendo vai puxar mais pro doce. Super recomendo para quem nunca experimentou!


O que leva?

– 03 bananas verdes (pode ser da terra, nanica, maçã)

– azeite de oliva

– sal e pimenta a gosto

Como faz?

– corte as bananas em fatias de 0,5cm.

– unte a forma com azeite, óleo de coco ou manteiga ghee.

– espalhe as fatias pela forma e leve por cerca de 40 minutos ao forno (já pré-aquecido) a 180 graus.

– durante o processo, vire as fatias de banana para assar dos dois lados. Tempere com sal e pimenta do reíno moída. 

Acompanhamentos, Café da manhã, Dica[s] express, Quero ser fit, Sem glutén

Dica express: omelete de shitake 

Dica esperta para quem quer dar uma incrementada no omelete de cada dia! Omelete super saboroso recheadinho com shitake salteado.


O que leva?

– 02 ovos

– 04 shitakes sem os talos cortados em tiras de 0,5 cm

– 01 colher (chá) de manteiga ghee ou fio de azeite

– 01 colher (chá) de shoyu (eu usei o orgânico!)

– sal e pimenta do reino a gosto

Como faz?

– aqueça a ghee ou azeite na frigideira e refogue os cogumelos por uns cinco minutos. Usei a boca menor do fogão com fogo alto.

– coloque o shoyu por cima e mexa por mais uns dois minutos. A intenção é dar uma bronzeada no cogumelo e “cozinhar” ele um pouco. Reserve.

– coloque os dois ovos em uma vasilha e mexa bem com um garfo ou fouet.  Acrescente os cogumelos salteados. Acerte sal e pimenta e misture. Você pode colocar queijo ralado, cebola ou outros ingredientes que preferir. Essa versão ficou mais fit mesmo. 

– volte a mesma frigideira para o fogo, coloque a mistura espalhando bem em toda a frigideira. Aqui usei a boca menor com o fogo baixo. Deixe cozinhar por uns 03 minutos. Vire a omelete com o auxílio de uma espátula. Deixe por mais uns 03 minutos. Ela vai estar cozida com um leve bronzeado. Cuidado para não queimar.

[A receita aqui é apresentada passo a passo, mas você vai fazer estes dois passos ao mesmo tempo: enquanto refoga os cogumelos, já vá preparando a mistura dos ovos. Quando os cogumelos estiverem prontos, você já joga nos ovos, mexe e já volta pro fogo!


Corte em formato de pizza e seja feliz! 😃

Acompanhamentos, Funcional gourmet, Lactose free, Quero ser fit, Sem glutén

Spaguetti de palmito de pupunha

Depois da receita de lasanha, foi a vez de experimentar o spaguetti de palmito de pupunha. A estrutura é bem parecida com a de uma massa, o sabor neutro e vai bem com qualquer molho. Eu fiz molho bolonhesa e ficou perfeito! Ótima pedida para quem está com vontade de macarrão, mas quer escapar das calorias e carboidratos.


O que leva?

– 300g de spaguetti de palmito de pupunha (1 vidro do em conserva da palmasul)

– 500g de carne moída

– 340g de molho de tomate (eu usei tomate pelatti) + ou – um xícara e meia

– 1 cebola média picada em cubinhos

– 6 cogumelos paris cortados bem fininhos (usei o fresco)

– 2 dentes de alho amassados

– sal e pimenta do reino a gosto

​​

Como faz? 

– retire o pupunha da conserva e lave bem em água corrente. Escorra.

– para preparar o molho a bolonhesa, refogue o alho rapidamente em um fio de azeite até ficar levemente dourado. Coloque a carne moída e refogue bem até ela ficar mais “fritinha”. Coloque o cogumelo e refogue por uns dois minutos, depois, a cebola até ela ficar transparente. Acrescente o molho de tomate, um pouco de água e deixe ferver. Coloque sal e pimenta a gosto. Reserve.

– ferva água suficiente para cozinhar o spaguetti. Pode colocar sal a gosto. Cozinhe o “macarrão” por cinco minutos. 

– agora é só servir o macarrão com o molho por cima. Nham…
​​​

Acompanhamentos, Funcional gourmet, Sem glutén

Bifum com legumes

No post anterior, mostrei como fazer uma salada deliciosa e refrescante de bifum, que é um macarrão de arroz. Na receita que postei, sugiro 100g para duas pessoas. Mas, na receita original falava em 150g. Como achei muito macarrão, guardei uma parte na geladeira para o almoço de hoje.

Aí ficou mole, mole. Só tive que saltear os legumes e acrescentar o bifum. Como estou numa dietinha braba, servi com um pedaço de filé de peixe grelhado.


O que leva?
– 1 cenoura pequena

– 1 abobrinha pequena (usei a tipo menina)

– cogumelo paris (usei quatro)

– 1 dente de alho amassado

– manteiga ghee (1 colher chá) ou azeite (fio)

– sal e pimenta do reino a gosto

Como faz?

– descasque a cenoura e retire as pontas dela e da abobrinha. Corte os dois legumes em tirinhas com a ajuda de um descascador. Gosto de cortar na longitudinal para ficar parecendo um macarrão de legumes.

– pique o cogumelo paris em lâminas.

– aqueça a manteiga ou azeite. Doure o alho. Refogue a abobrinha e cenoura por uns dois minutos, acrescente o cogumelo e deixe refogando mais uns dois minutos. Vá misturando até eles ficarem al dente.

– acrescente o bifum já cozido. Mexa bem como se tivesse “fritando” a mistura. Fica bem sequinha e saborosa. Coloque sal (eu usei o rosa do himalaia) e pimenta do reino a gosto. Bom apetite!

Bifum com abobrinha, cogumelos e cenoura

[cozinhando o bifum]

Deixe a água ferver e coloque o bifum por dois minutos. Vá mexendo para soltar o macarrão. Escorra e acrescente o molho de sua preferência. Para fazer saladas, interrompa o cozimento colocando pedras de gelo no escorredor em cima do macarrão.

Acompanhamentos, Dieta detox!, Saladas, Sem glutén

Salada refrescante de bifum

Nunca tinha experimentado o tal bifum, macarrão de arroz. Descobri que ele é excelente para a saúde. Além de ser menos calórico e não ter glúten, possui baixa absorção de gordura e baixo índice glicêmico. Cada 100g de macarrão tem 259 calorias. O sabor é super neutro e combina com vegetais e carnes. Pode ser feito frio em saladas ou quente em pratos como yakisoba. 

A receita abaixo serve super bem duas pessoas. É uma ótima opção de entrada ou para acompanhar um peixe grelhado.


O que leva?

[salada]

– 1 cenoura pequena descascada

– 1 pepino japonês

– meio pacote ou 100g de bifum

– 6 fatias de blanquet de peru (pode ser kani tb)

– gergelim preto

[molho]

– 3 colheres (sopa) de vinagre (usei de limão, mas pode ser branco ou de arroz)

– 1 colher (chá) de açúcar

– 1 colher (café) de sal

– 1 colher (sopa) de azeite


Como faz? 

– corte a cenoura e o pepino em tirinhas bem fininhas como se fosse macarrão. Para isso, use aqueles fatiadores de mão. Coloque numa peneire e salpique uma colher (sopa) de sal. Deixe descansar por 30 minutos. Eles vão soltar bastante água.

– após os 30 minutos, lave bem a cenoura e o pepino. Precisa enxaguar bastante para tirar o sal. Deixe escorrer bem. Se for o caso, pressione um papel toalha para ajudar a absorver a água.

– corte o blanquet de peru em tiras fininhas. Reserve.

– ferva água e coloque o bifum por dois minutos. Enquanto isso, mexa para soltar o macarrão. Coloque no escorredor e jogue umas 10 pedras de gelo para interromper o cozimento. Deixe escorrer bastante até ficar mais sequinho. 

– agora é só misturar a cenoura, pepino, peru e o macarrão. Pode cortar o bifum de leve para que os ingredientes fiquem bem misturados.

– num potinho à parte, misture todos os ingredientes do molho e mexa bem. Regue a salada e envolva todos os ingredientes. Se preferir, pode fazer o dobro de molho para deixar a salada mais molhada. Salpique o gergelim por cima e pode servir!

Bom apetite! 😀

Acompanhamentos, Petiscos

Churrasco gourmet + saudável

A saga por uma alimentação melhor continua. Só que a gente ama um bom churrasco… como fazer? Bom, deixar de comer carne ainda não está nos planos. Então, a saída é tentar amenizar nos acompanhamentos para não meter o pé na jaca de vez. 

Eu amo legumes assados de forma rústica. Na receita abaixo, ensino a fazer uma dessas boas misturas e também um teste que deu super certo: cogumelo assado na brasa! A quantidade abaixo serve duas pessoas.


O que leva?

1 abobrinha média (pode ser da italiana ou tipo menina)

– 1 batata doce média (usei a da casca roxa)

– 1 berinjela média 

– 4 dentes de alho com casca

– cúrcuma (açafrão) 

– ervas finas 

– azeite 

– sal (usei o rosa do Himalaia) e pimenta do reino

Como faz?

– lave os legumes e descarte as pontas. Pique-os com a casca mesmo. Eu gosto de  definir o tamanho e espessura de acordo com o tempo de cozimento. Então, faço assim: deixo as abobrinhas maiores, as berinjelas um pouco menores e corto as batatas mais finas. Isso vai fazer com que no fim as abobrinhas não estejam desmanchando. Você tb não vai precisar assar tudo separado. É só compensar no tamanho. Pensa assim… a que leva mais tempo é a batata doce. Então, deixe ela com a metade do tamanho. Eu gosto dela com formato palitinho porque fica crocante no fim. 

– pegue a travessa, coloque um fio de azeite e acrescente uma colher (café) de cúrcuma. Jogue os legumes picados, os dentes de alho com casca, um pouco de ervas finas (pode ser aquelas misturas secasprontas ou ervas frescas como alecrim, tomilho, orégano), o sal e pimenta a gosto. Misture tudo e coloque mais um fio de azeite por cima. Se quiser, pode colocar um pouquinho de pimenta calabresa também, mas só um pouco pq senão fica muito apimentado. 

– leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por 40 minutos. Mexa os legumes durante esse tempo umas três vezes. Não é necessário colocar papel alumínio e nem cozinhar antes. Ao final, você pode colocar mais uns 10, 15 minutos em potência alta para ficar mais crocante.

– sirva como acompanhamento da carne do churrasco. Fica uma delícia! Ah, o alho ajuda a temperar a mistura, mas fica uma delícia também. É só tirar a casca e você vai provar uma pastinha de alho super leve e adocicada. 

[cogumelos na brasa]

É muito fácil! Pegue cogumelos frescos tipo paris (é tipo o champignon). Tire o miolo. Espete alguns num espetinho de churrasco, coloque um fio de azeite e asse sobre uma grelha. Deixe ele ficarem com aparência de murcho. Acho que gastou uns 10 minutos (no máximo). Tempere com sal a gosto e delicie-se! Eles ficam com um gostinho incrível por conta da brasa.


Acompanhamentos, Petiscos, Sem glutén

Bolinho de bacalhau perfeito!

Sabe quando você gosta de algo, mas não consegue acertar a mão na receita? Até ontem era assim pra mim nas tentativas de fazer um bolinho de bacalhau. O bolinho ficava encharcado e todo cheio de fiapos de bacalhau na parte de fora. Pesquisando no santo Google achei uma receita de uma senhorinha que tem um restaurante português típico em Ubatuba – SP. Testei… e, simplesmente, amei! O gosto, a textura, a crocância! Ficou perfeito!

O que leva?

– 250g ou 03 batatas média tipo asterix (a batata faz toda diferença!)

– 250g de bacalhau dessalgado e desfiado

– 2 dentes de alho amassados

– 2 colheres (sopa) de azeite extravirgem

– 1 ovo

– salsinha picada a gosto

– sal e pimenta do reino a gosto

– Óleo ou azeite para fritar

Como faz?
– Descasque a batata e cozinhe em água quente. Cozinhe o bacalhau também. Eu deixei o bacalhau uns oito minutos na água fervendo.

– Escorra bem a batata e o bacalhau. Eles precisam ficar bem secos. Você vai perceber que a batata asterix é bem mais sequinha que a batata inglesa e isso faz toda diferença na estrutura do bolinho.

– Amasse a batata com um garfo e desfie o bacalhau retirando as espinhas. Reserve.

– Numa panela pequena, coloque o azeite e refogue o alho até ficar dourado. Tire do fogo.

– Pegue uma tigela e junte a batata, o bacalhau, o alho no azeite, o ovo, a salsinha, a pimenta do reino. Misture a massa com uma colher (com a mão é ainda melhor!). Corrija o sal.

– Faça os bolinhos com o auxílio de duas colheres (passando uma na outra) ou enrolando na mão. Pra ajudar é só ir molhando a mão com um pouco de azeite.

– Agora é só fritar em fogo médio. Atenção: o óleo precisa cobrir o bolinho. Do contrário, ele pode ficar encharcado.

OBs: percebeu que a receita não vai farinha de trigo? O verdadeiro bolinho de bacalhau não vai farinha!!!! Essa receita rendeu uns 30 bolinhos pequenos. Você pode dobrar ela sem erro.


Acompanhamentos, light!

Arroz sete grãos

Muita gente não gosta de arroz integral porque acha sem graça, sem sabor. Esse arroz fica muito gostoso, soltinho e mais al dente. Perfeito para acompanhar um peixe grelhado. Espero que gostem!

O que leva?

– 1 xícara (chá) de arroz sete grãos da sua preferência (eu usei o Tio João da foto)
– 1 cebola pequena
– 1 colher (chá) de molho shoyo
– sal a gosto
– azeite

Como faz?

– corte a cebola em cubinhos. Reserve.

– aqueça uma panela, coloque um fio de azeite e frite a cebola até ela ficar marrom.

– coloque o arroz sem lavar, mexa e deixe refogar bem. Coloque o shoyo e mexa. A ideia é fritar bem o arroz.

– coloque água fervendo até cobrir o arroz (mais ou menos um dedo e meio acima). Acerte o sal e deixe cozinhar com a panela tampada por 25 minutos.

– depois de 25 minutos, verifique se está cozido. Eu prefiro ele mais sequinho e al dente. Se quiser mais cozido, coloque um pouco mais de água e deixe cozinhar por mais uns 10 minutos.

– quando estiver ok, misture o arroz e deixe uns dois minutos sem a tampa para secar bem.

Dica: como o arroz sete grãos é mais caro, você pode misturá-lo com arroz integral. Use a proporção meio a meio. É uma forma de fazer render mais.

20141014-012334.jpg

20141014-012743.jpg